Literatura e resistência

A história de uma Editora, Livraria e Espaço Cultural em uma pequena rua no meio de uma comunidade…

Em meio ao Parque Santo Antônio, em uma rua no formato de “ferradura”, está um espaço de resistência e de imensa beleza pelo que se propõe: a Editora FiloCzar. Uma iniciativa do filósofo César Mendes da Costa e de sua companheira também filósofa, Monica Aiub; o espaço é, ao mesmo tempo, editora, livraria (com dezenas de títulos de autores independentes), biblioteca comunitária e local de oficinas e encontros, como cines filosofia e cursos afins.

“Já teve uma aposta de duas moradoras antigas daqui que todos os dias iam ao trabalho por lados opostos da rua. Uma falou pra outra que tinha uma livraria na rua, a outra não acreditou. E assim se deu a aposta! Um dia uma delas passou aqui e perguntou: ‘o que é esse espaço?’. E  eu disse: uma livraria. Daí ela sorriu e me falou: ‘ganhei’! Alguns dias depois, a outra fez uma pergunta parecida e, assim que respondi, já pude ouvir: ‘perdi’”; relata César Mendes, que conta a história para ilustrar o fato raro de se ter uma livraria independente no meio da comunidade.

O que deveria ser motivo de orgulho, no entanto, traz para os moradores estranheza, como ilustra bem a aposta entre as moradoras! Mas não para as crianças que entram bem à vontade lá para tomar água e assistir aos filmes que César exibe vez ou outra ou mesmo para participar da oficina de produção de livros ou até levar um livro emprestado para ler em casa.

Detalhe importante: a editora pratica a arte de “fazer livros” com as próprias mãos, por meio do processo manual de costura dos livros. Já acumula em seu currículo mais de 30 títulos independentes.

Trajetória de luta

A Editora FiloCzar existe desde 2011, iniciando sua história com a publicação de livros. “Para manter o espaço já tive que aprender muita coisa. Quando fiz o primeiro livro eu nunca tinha costurado na vida! Foi a primeira vez. Também tive que aprender marcenaria para fazer alguns trabalhos na livraria, como as estantes. Para isso, tive o auxílio da marcenaria PASA, que fica em frente à livraria, com orientações, projetos para os armários, cortes de madeira e até a construção de prensas”, relembra Cesar.

E não foi assim só com a editora e livraria. César conta que na primeira exibição de filmes, do Cine Filosofia, a tela era uma parede branca que ele mesmo pintou e teve que esconder os rebocos, tampar com fita adesiva. Hoje o Cine é exibido em um espaço de paredes pretas e tela grande, especial para a projeção, que fica atrás da livraria.

Ele conta que tanto o acervo do Cine como o da livraria foi melhorando sua estrutura com o tempo; “conseguimos comprar um projetor um pouco melhor. Uma coisinha aqui, outra ali. E, com a venda de um livro, eu sempre comprava outro ou quando alguém encomendava um livro eu já comprava dois”!

O espaço segue empreendendo sua trajetória por meio das vendas de livros na comunidade; “parte aqui, parte em eventos dos quais participamos, vamos equilibrando. A maioria dos que procuram os livros são alunos que buscam títulos indicados pela escola para leitura”, diz César.

 E ainda não acabou…

Como se tudo isso já não bastasse, eles seguem com novas ideias e projetos: além do acervo disponível para empréstimo, teve início uma oficina de pesquisa (uma espécie de conceituação e prática para a dissertação de uma tese), um preparatório para mestrado, que iniciou com um grupo e hoje tem uma aluna apenas. O que não diminui o seu propósito inovador e necessário, assim como a leitura.

O espaço também abriga eventos para o lançamento de livros de autores do território.

Por enquanto o espaço é para poucos, mas com mais “Césares e Monicas” torcemos que passe das dezenas para centenas e milhares e, como disse César durante nossa visita, “com a leitura podemos atravessar pontes”!

Quem sabe no futuro os meninos que brincam na rua em frente à livraria ou frequentam as atividades culturais da FiloCzar entrem no espaço à procura do seu valioso acervo (impecável, diga-se de passagem), que contempla assuntos diversos: literatura, política, temas espirituais e, como não podia faltar, filosofia, além dos publicados escritores e poetas do território.

Como adquirir os livros da FiloCzar?

Além das vendas na comunidade, os títulos da Editora são distribuídos pela Loyola Distribuidora e comercializados em várias livrarias. A novidade é que alguns títulos agora também estão no e-Bairro. Acesse a loja!

Ah, e claro: não deixe de passar por lá para conhecer esse espaço incrível. Imperdível!

Livraria & Editora FiloCzar

Rua Durval Guerra de Azevedo, 511 – Parque Santo Antônio

Horário de Funcionamento: de segunda a sexta, das 10 às 19h; sábados, das 10 às 18h; domingo, das 11 às 17 horas.

Texto: Carla Prates

**********************************

“Conheci a FiloCzar no dia do meu aniversário. Foi um presente! Meu sonho sempre foi ser escritora, mas a vida e as necessidades me levaram para outros ares! Conhecer o espaço de alguma forma me reconectou com minha essência! Mas no dia seguinte fiquei mais surpresa ainda ao perceber que muitos amigos, que frequentam a cena cultural, não o conheciam. Como assim? Incrível como as informações sobre o que acontece ao lado da nossa casa não chega até nós quando moramos na periferia. São territórios de informação fragmentada, interrompida pela luta do dia a dia e pelo domínio da divulgação das grandes mídias”.